segunda-feira, 20 de abril de 2009

Audiência ou rolo compressor?

Foi demagógica a forma dos debates e encaminhamentos na audiência pública realizada no Bairro Borges(sábado 18/04). A comunidade se organizou para reivindicar melhoria no trecho que será asfaltado dentro do perímetro urbano, e para resumir o questinamento foi: "quem quer que a obra pare?". Ora, ninguém quer a obra parada, e tenho convicção que isso nem passou pela idéia do organizador do ato, Sr. Atilio Gracietti que mostrou-se preocupado com os riscos futuros da estrada naquele trecho e obviamente estava empenhado em mostrar que é possível melhorar o projeto e dar mais segurança a todos os usuários. O Deputado presente fez um grande discurso para no final dizer que "tem medo" que tudo fique parado, e se ele tem medo, o que vão pensar os moradores do Bairro?! Pra mim a conversa foi toda para induzir e se chegar no resutaldo que infelizmente se chegou. Crise mundial, burocracia estatal e tudo mais serviu de justificativa para o não.
Você sabia que em 2007 o Governo do Estado ‘investiu’ R$ 62 milhões 970 mil, em publicidade e que esta grana foi repassada através de agências de propaganda. Isto significa um incremento de mais de 30% sobre o ano anterior.
E agora a crise mundial e a burocracia estatal não permitem o melhoramento de menos de um quilometro de asfalto para dar segurança aos moradores do bairro borges e dermais usuários da estrada! Por favor, não subestimem a nossa inteligência!

Um comentário:

Juliane disse...

Concordo plenamente contigo, Claudio. Achei vergonhosa a forma com que foi conduzida a audiência pública. Sem falar que foi apenas exposto o lado das autoridades, quase sem espaço para manifestações do público e quando o Sr. Atílio foi expor seus argumentos, foi cortado de forma desrespeitosa. Penso que seria muito mais sensato, se fosse feito uma explanação por técnicos, pessoas imparciais, que colocassem todas as alternativas possíveis, para então, os presentes decidirem pelo melhor, não sendo induzidos como foram.